15 músicas inesquecíveis… que Dylan (quase) esqueceu!

url

Ao longo dos mais de 50 anos de carreira, Bob Dylan compôs centenas de canções. Algumas estão presentes, em shows e discos, desde seu nascimento; outras, viram a luz da plateia apenas raras vezes; outras só sentiram o frio do ar-condicionado do estúdio.

Abaixo, quinze músicas fantásticas que Dylan deixou de lado – ou guardou durante um bom tempo.

– Abandoned Love

Antes de ser gravada para o álbum Desire – mas substituída por “Joey” e inserida em Biograph, de 1985 -, “Abandoned Love” foi apresentada ao vivo durante a participação de Dylan em um show de Ramblin’ Jack Elliott no dia 3 de julho de 1975 (provavelmente dias após sua composição).

A interpretação no palco supera muito a de estúdio. Bob parece imerso no ideal de amor que construiu, mas que agora quer abandonar. Inúmeras frases ficam na cabeça do ouvinte com a certeza de que seu sentido teve ou terá relevância em algum momento. Um exemplo? “I march in the parade of liberty/ But as long as I love you I’m not free/ How long must I suffer such abuse/ Won’t you let me see you smile before I cut you loose?”.

– Up To Me
12 estrofes em 6:19 minutos e a impressão de que se poderia ouví-la durante horas. “Up To Me” foi gravada durante as sessões acústicas de New York para o disco Blood On The Tracks. Sua melodia e abordagem lembram bastante “Shelter From The Storm” (o que talvez explique sua exclusão), mas a história é outra. Ao invés de ser convidado para um abrigo contra a tempestade, o eu-lírico descreve situações em que o destino lhe dá responsabilidade.

Ao final, uma conclusão impossível de ser interpretada como algo não biográfico: “And if we never meet again, baby, remember me/ How my lone guitar played sweet for you that old-time melody/ And the harmonica around my neck, I blew it for you, free/ No one else could play that tune/ You know it was up to me”.

– Almost Done

Apesar de bela e tocante, “Almost Done” faz jus ao nome e é uma obra inacabada. Bob Dylan a tocou em alguns ensaios em maio de 1984, mas infelizmente abandonou antes de finalizá-la. A letra é difícil de entender, principalmente porque algumas vezes ele apenas balbucia para guardar a melodia.

Mesmo incompleta, é daquelas que se pega cantarolando no meio da tarde.

– Nobody ‘Cept You

Sobra de Planet Waves, mas executada durante os primeiros shows da concorrida turnê de ‘74, “Nobody ‘Cept You” parece uma música sacra travestida de romântica (“There’s a hymn I used to hear/ In the churches all the time/ Make me feel so good inside/ So peaceful, so sublime/ And there’s nothing that reminds me of that/ Old familiar chime/ Except you”).

Seu registro em estúdio ainda é experimental, com Levon Helm parando de tocar antes do término, mas o resultado é uma música alegre e vibrante.

– I’ll Keep It With Mine

Essa não é uma música linear, reta e bem formatada. Supostamente feita para Nico, do Velvet Underground, (com quem Dylan, também supostamente, teve um caso), “I’ll Keep It With Mine” ficou em constante transformação durante 18 meses. Nesse registro, durante as gravações de Blonde On Blonde, o produtor Bob Johnston parece não entender de onde Dylan tirou a canção.

– Percy’s Song

Assumidamente influenciada por “The Wind and The Rain”, de Paul Clayton, “Percy’s Song” é cantada de maneira tão melancólica quanto seu enredo. O solos de gaita parecem entoar uma poesia ainda mais bela e tristonha. Como em uma sinfonia, o único som que é possível ouvir da plateia são tosses pontuais – dos poucos vencidos pela garganta seca, como se o corpo esquecesse de todos os sentidos para focar apenas na audição.

– Lay Down Your Weary Tune
Uma ode à natureza, ou uma tela panteísta que segundo Michael Gray é uma visão de mundo em que a natureza não é apenas uma manifestação de Deus, como também contendo Deus em todo seu aspecto. “Lay Down Your Weary Tune” pode ser considerada das primeiras músicas impressionistas que Dylan compôs, ao lado de outras como “Mr. Tambourine Man”.

A canção foi deixada de lado do álbum The Times They Are A-Changin’ para dar lugar a “Restless Farewell” e seu adeus ao passado.

– Let’s Keep It Between Us

Mais um dos ataques ácidos direcionados àqueles que se acham amigos. Ao piano, Bob dispara seu ódio para as especulações e fofocas (algo que ele sentiu na pele desde o começo). Então sugere: “vamos manter entre nós, querida”.

Um R&B cantando com vontade e sinceridade, mas apresentada apenas algumas vezes. Gravada inicialmente para o disco Shot Of Love, Dylan chegou a tocá-la durante a turnê de 1980.

– John Brown

Bob Dylan, então com 21 anos, já opinava contrário às guerras – seja contra Cuba, seja contra o Vietnã. “John Brown” é inspirada na tradicional inglesa “Mrs. McGrath”, mas atualizada para os EUA do século XX e as consequências do ufanismo acéfalo.

A canção conta a história do soldado John Brown e sua orgulhosa mãe, que diz a todos sobre a ida do filho à guerra. No reencontro, ela se depara com o rapaz destruído – fisica e mentalmente – pela guerra. O final, quase em suspenso, deixa claro: o orgulho pela medalha inexiste nas memórias de John.

Dylan lançou a música em 1963, sob o pseudônimo de Billy Boy Grunt, na revista Broadside. Após algumas apresentações, Bob só revisitaria em 1987 após sugestão de Jerry Garcia para a turnê com o Grateful Dead. A primeira aparição oficial seria no disco Unplugged, de 1995.

– Pretty Saro

A música não é de autoria de Dylan, mas a primeira vez que a ouvi (durante a divulgação de “Another Self Portrait”), não consegui entender porque Bob resolveu tirar uma das melhores interpretações que já fez. Sua voz, da época “crooner” e levemente empostada, traz uma doçura única à canção tradicional e sua narrativa amorosa.

Quase ironicamente, Bob canta: “If I was a poet/ And could write a fine hand/ I’d write my love a letter/ That she’d understand”. Como se não fosse um de seus grandes trunfos.

– I’m Not There

Um quadro em poesia. Uma fotografia em acordes. Um segundo descrito em 5:13 minutos. Para Dylan, as palavras soltas, sem um significado aparente para ele, é critério suficiente para deixar a canção de lado. Como disse Heylin, foram necessários 40 anos e um filme de 40 milhões de dólares para que “I’m Not There” saísse do porão.

É uma música inacabada, quase nos mesmos moldes de “O Castelo”, de Kafka. Aqui, porém, o prazer não é ver uma obra não finalizada, mas ouvir as palavras e o som metaforseando-se em uma canção. A imagem que temos, contudo, é de um ser deformado, com um potencial de ser quem ele quiser.

– Blind Willie McTell

A canção menos esquecida por Dylan – que escolheu tocá-la frequentemente nos últimos anos -, mas que quase ficou inédita ao público. Bob gravou-a para Infidels, mas resolveu tirar da seleção final, deixando o crítico músical Paul Williams fora de si. Ao questionar Dylan sobre o porquê tirar a melhor canção da safra, Bob apenas respondeu: “Calma, é apenas um disco. Eu já fiz vários deles”.

Por sorte, ela saiu do ostracismo no Bootleg Vol 1-3.

– All Over You

Uma divertida canção que mistura humor e paixão. Tão óbvio quanto um gato ter nove vidas, um milionário ter um milhão de dólares e Rei Saud possuir quatrocentas mulheres, eu faria tudo por você. Amor e humor caminhando pela estrada da conquista.

– Love is Just a Four-Letter Word

Tão esquecida por Dylan que ele nem se deu o trabalho de terminá-la ou mesmo gravá-la. O registro ficou por conta de Joan Baez, que insistiu para que Bob a terminasse. No fim, como Oliver Trager descreve, “Love is Just a Four-Letter Word” é mais dos aforismos dylanescos.

– I Was Young When I Left Home
“Isso deve ser bom para alguém, esta música triste. Eu sei que é boa para alguém. Se não é para mim, é bom para alguém”, introduz Dylan. Este é o único registro da música (gravado em Minnesota em 22 de dezembro de 1961, após Bob gravar seu disco de estreia, mas antes do lançamento) e ele canta como se tivesse, no mínimo, o dobro da idade que tinha – apenas 20 anos. A canção ecoa “500 Miles” de Hedy West – que por sua vez utilizou como base a tradicional “900 Miles”.

Para quem se viu obrigado a sair de sua casa, de sua cidade e de abandonar o próprio nome para trilhar o caminho que lhe cabia, Dylan se mostra um exímio observador ao descrever a saudade de casa e das consequências tristes da despedida.

***

E para você, alguma música inesquecível ficou de fora?

12 thoughts on “15 músicas inesquecíveis… que Dylan (quase) esqueceu!

    1. Ótima lembrança, Matheus!

      Não só foi tocada exaustivamente, como era a música que abria o set elétrico.

      Obrigado pela participação.

      Abraços!

  1. Bela seleção!!
    Eu colocaria Ballad For a Friend e Seven Curses.
    Estão num bootleg que tenho e nunca ouvi em nenhum outro lugar ou outra versão!
    Obrigado pelo post

  2. Eu acho que Bob Dylan “esqueceu” essas músicas porque a maioria é “baseada” em outras músicas.
    As melhores músicas dessas “inesquecíveis” não são de Bob Dylan.
    Aliás, até Lay Down Your Weary Tunes, se não me engano, também é “baseada” numa antiga música cigana, o que o próprio Bob Dylan disse no encarte do álbum Biografhy, dizendo que tocava o disco “de trás para a frente” sem parar.
    Às vezes, em arte, como na vida, acontece o seguinte: a gente diz uma coisa e pensa que é original, mas não é, outro já tinha dito, e não damos o crédito.
    Compositor é aquele que faz a melodia, a música, e colocar uma letra nova numa música antiga, bem, isso não dá o direito de se considerar como autor de uma música nova.
    É igualzinho o filho que herda uma fortuna do pai, e toca para a frente, sorte dele. Mas não pode dizer que fez esforço para conseguir isso, recebeu tudo de mão beijada.

  3. Belo post. Enquanto leio, vou lembrando das músicas que conheço e pesquisando aquelas que ainda não tinha ouvido. Sempre achei incrível como algumas músicas tão lindas ficaram de fora das gravações originais. Uma que eu citaria, apesar de ter sido bem executada ao vivo, é “Farewell”, que toca no final do filme “Inside Llewyn Davis”, uma versão belíssima.

  4. Dylanesco

    Quanto a Pretty Saro, não tem mistério nenhum, não foi planejado, conforme o próprio Bob Dylan já disse. A sua voz ficou assim porque ele, na época, ficou um período sem fumar. E, como ele mesmo disse, se a gente não fuma, a gente pode cantar como Caruso. Mas mistério mesmo não tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *