Bob Dylan em BH, por Eduardo Bueno

Belo Horizonte é uma cidade com 5 milhões de habitantes que cresce desordenadamente e está localizada bem no meio das majestosas, antigas e cristalinas montanhas do estado de Minas Gerais, no sudeste do Brasil, longe do litoral, perto do que quer que seja. O ouro foi encontrado aqui em 1704. Muito ouro: cerca de 40 toneladas, que fez a fortuna de várias nações – Brasil não incluso… Foi a maior corrida de ouro na história da humanidade até 1849, quando novas minas foram encontradas na Califórnia, e toda a ganância, fome e confusão mudaram-se para o norte. Topázio, esmeralda e turmalina também abundavam por aqui, nas severas e rochosas montanhas que fazem o horizonte de BH certamente belo, mas bem perto da própria cidade: é impossível ver muito além. Depois de todo o ouro sugado de suas veias, o ferro foi encontrado em tanta quantidade que, mais de cem anos depois, ainda alimenta a fome voraz da China por este metal… Enfim, Bob veio de uma região de ferro também, não? E ele certamente está procurando por seu coração de ouro e ele está envelhecendo… Portanto, parece que ele veio ao lugar certo, mesmo que ele não pudesse (até onde nós sabemos) caminhar pelas antigas minas e fantásticas e coloniais cidades com um tom fantasmagórico que cerca BH. De qualquer forma, foi como se todo esse campo magnético tivessem nele – e em sua banda – uma influência… E ele certamente nos levou para uma viagem, como veremos. Caros, eu acho que esta noite, a terceira da atual turnê, foi a melhor até agora, mesmo com as outras duas sendo boas o suficiente.

1) O show no Chevrolet Hall (Deus, que nomes…) começou pontualmente às 21h. Bob abriu novamente com “Leopard Skin Pill Box Hat”. Ela é certamente divertida e malandra, que realmente mexeu com o público e tudo mais, mas há quem se pergunte porque Bob decidiu escolher esta canção em particular para abrir as apresentações dos últimos anos. Bom, eu acho que ele pode fazer o que quiser, e nós não reclamaremos. E no fim soou boa. Portanto… vamos prosseguir.

2) Especial porque ele largou o teclado, pegou a guitarra e começou “It’s All Over Now, Baby Blue”. No começou ela soava parecida com as versões recentes. Mas, logo após a segunda estrofe, Bob já mostrou que esta noite seria a noite: ele fez a guitarra-solo, ele dobrou os joelhos, ele mordeu os lábios, ele parecia meio mau, com olhos de faca – olhos de lâminas – e ele estava expulsando a pobre garota de seu quarto para as ruas. Ele fez algumas improvisações, tocando mais tempo que o normal, como um anúncio para a banda de que ele estava no clima esta noite.

3) Então ele nos deu uma carona: centro do palco, sem guitarra, apenas a gaita, ele começou a mostrar para todo mundo em sua volta sua nova linguagem corporal, dobrando os joelhos, deixando seus braços bem abertos, tocando seu próprio peito com a mão esquerda, colocando a mão direita na cintura, esboçando um sorriso, concentrando sua visão na vasta paisagem de sua mente enquanto ele começava a tocar uma densa, tensa e com toque de blues em “Things Have Changed”. Ele parecia tão chaplinesco quanto diziam no começo de sua carreira: seus novos maneirismos, seu andar como um marionete, seu terno preto e seu chapéu branco certamente transformam este “novo Dylan” do século XXI em um personagem tão sólido e importante como todas as outras seis (ou sete? ou oito?) personas que ele já incorporou na sua carreira que já dura meio século. E este cara em particular, como todos seus predecessores, também tem algo a ver com Hollywod, não apenas por que ele ganhou um Oscar (e que estava logo alí, em cima da caixa Leslie, olhando para nós apesar da falta de olhos), mas porque, de repente, nós estamos viajando com ele em um Cadillac, com esta mulher com um jeito malvado jogando champanhe no nosso colo, com o carro deixando a cidade e começando a chacoalhar numa estrada ruim e suja, como se fossemos direto para Paris… Texas ou Saint Anton, ou talvez Brownsville onde um novo filme do Gregory Peck esta prestes a começar. Foi uma versão e tanto da música que é cada vez mais frequente no repertório, e que sempre soou ótima para mim.

4) Eu não sei se foi uma viagem pessoal minha, mas o fato é que a versão de “Tangled Up in Blue” que se seguiu foi, definitivamente, uma versão para cinema, feita para a tela grande: foi realmente como um filme com Bob nos levando pelas trilhas cheias de sangue, suor e lágrimas. O modo como ele pronunciou “pipe” valeu o ingresso – e mesmo que ele seja do “tipo silencioso” ele certamente deu voz para nossos amores fracassados de fantasia, ou o que é pior, para nossos amores fracassados reais… Mas o fato é que, como você já sabe, alguns produtores brasileiros acabaram de comprar os direitos para fazer um filme baseado nas músicas de Blood on the Tracks – bom, Bob fez um filme inteiro com uma música e sozinho… E mesmo que nós não sabemos o que a mulher do carpinteiro ou esses matemáticos fazem com suas vidas, nós sabemos, com toda a certeza, que Dylan continua na estrada – e ainda continua esquentando as conexões entre ele, os filmes e o Brasil. O diretor brasileiro Walter Salles acaba de filmas “On the Road, de Kerouac.

Milena, uma inteligente, respeitosa e gentil garota de DOZE anos estava perto de mim, na primeira fileira, enquanto as belas, entre ótimos 19 a 21 anos, Helena, Gabriela e Natalia, brilhando na flor da idade rebelde, também estavam no show, todas as três com a edição brasileira de “On the Road” em seus braços (mas isso dificilmente é uma coincidência, porque, uma hora antes do show, o tradutor do livro em português autografava em uma bela livraria a apenas algumas quadras dali – e este tradutor parece ser o mesmo que escreve estas linhas). Pena, um cara com quase 60 anos que viu Bob pela primeira fez durante a Rolling Thunder Revue em Boston’s Garden em junho de 1975 (“the afternoon show” como ele disse) e Rogério, um sujeito chegando nos cinquenta, grande conhecedor de Dylan, também estava lá, lado a lado com um primo de Milena, de 14 anos, que parecia saber toda palavra que Bob estava cantando, como se ela estivesse, você sabe, sido escrita em sua alma. Nós todos éramos passageiros nesta viagem mágica, quando Bob repentinamente abandonou o carro no Oeste… e veio para uma espécie de porto, onde seu navio estava com as velas abertas, pronto para sair…

5) E logo depois veio “Beyond Here Lies Nothin’” e era forte o bastante para quebrar todas as janelas, e todas as janelas eram feitas de vidro. Ótima versão, bem melhor que a de Brasília, duas noites atrás, pelo menos na minha opinião. Forte, justa, com Bob na guitarra (eu acho – eu não anotei nada e espero que minha memória me sirva bem…). Tudo o que posso assegurar é que o capitão sentia apenas carinho por todos aqueles que viajavam com ele, porque parecia que, depois de toda a péssima estrada, ele era bom o bastante para nos levar para aquela mesma ilha distante, talvez Black Diamond Bay.

6) Porque após velejarmos com ele pela tempestade de “Beyond”, o espírito das águas nos levou para este casino abandonado, construído em um penhasco num canto remoto da ilha, onde Bob se tornou o pianista, tocando sua valsa de maneira tão melancólica que soou como um fanstamsa… Você já viu um fanstama? Não, mas eu acredito neles… Em “Spirit on the Water”, Bob apertou seu teclado forte e fez uma série de improvisações meio jazzy e, para mim, foi realmente como se ele soasse como um pianista em um casino fanstama, recusando-se a parar, mesmo em uma sala decadente e vazia, como em um poema de Lawrence Ferlinghetti. Mas a sala estava longe de estar vazia, meus caros! De qualquer modo, minha impressão foi que todos estivessem sem palavras.

7) Então, o espírito das águas ficou malvado, e o nível de água aumentou – estava realmente ruim por lá… Bob nos levou para uma cidade estranha nesta sua paisagem mental, e do nada estávamos caminhando, quase flutuando, na inundação, na companhia assustadora de Charlie Patton. Foi aí que eu percebi que Bob poderia se tornar um jogador de cartas do Robert Crumb, como aqueles que este mestre do cartum já desenhou de todos os pioneiros do blues e mestres do country. Bob realmente parece como um personagem maior que a vida e ele e sua banda estavam fodasticamente brilhantes nesta versão de “High Water”, não tão roqueira e barulhenta como aquela de “Tell Tale Sign”, já que o mandolin dá um tom mais country, mas ainda era forte e denso e “malvado” o suficiente.

8 ) Quando a água finalmente foi drenada, a jornada de pesadelo estava longe de acabar, porque, entre os destroços da vila de Charley Patton, Bob encontrou um atalho e nos levou direto para… oh, Deus, “Desolation Row”. E então todos os fantasmas dos homens do blues decadente do Sul se tornaram super-homens e Cinderela, Romeu, Einstein, Casanova e Doctor Filth apareceram sem avisar como se estivessem pintados nas paredes da rua do suicídio… E eles estavam andando nas pontas dos pés porque a melodia era gentil, doce e persuasiva e Bob, nos teclados mais uma vez, estava cantando suas palavras e pontuando-as com notas únicas de um modo que o pesadelo poderia se tornar um sonho lisérgico – e não me pergunte por quê, mas eu juro que eu comecei a pensar sobre o grande Jerry Garcia e seu Grateful Dead. Mas nós estávamos gratos por estarmos vivos. Obrigado mais uma vez, Bob. Tem algo que possamos fazer para você? Mas pelo contrário, ele era quem parecia estar grato, porque ele continuava sorrindo, indo pra trás e pra frente no teclado, levantando uma de suas mãos e deixando-a suspensa por um tempo, como se estivesse fazendo um movimento de karatê em câmera lenta, e colocando sua mão esquerda no peito para agradecer os aplausos da platéia, sorrindo, sorrindo, como se estivesse disfarçado de Robin Hood tocando violino elétrico.

9) “Honest With Me” foi honesta por si só. Justa, mas de algum modo, parecia como uma parada para a jornada que Bob estava nos empurrando.

10) Mas então, “Simple Twist of Fate” explodiu como um quadro vivo, novamente como um filme “apenas” com as qualidades de voz e música, e lá estávamos nós naquele velho e estranho hotel com uma luz neon clara através das sombras batidas, mas em breve nós seríamos direcionados para as docas à beira-mar, e o rapaz poderia também falar como um papagaio e se mover como um Pierrot, e EU JURO por Deus que o homem tinha o rosto como uma máscara! A iluminação (bem melhor, por sinal, que a inexistente iluminação do show de Brasília) era clara e branca e então era como Bob tivesse seu rosto pintado de branco como em Rolling Thunder Revue, exceto que agora era sua própria face. Seus dentes brancos brilhando como se tivesse vazando cada palavra me fez arrepiar nos ossos – mas eu não me senti sozinho: todas as belas garotas estavam perto, e também Pena, o cara que viu esta mesma canção ser cantada em Boston Garden (no “afternoon show”), 37 anos atrás – eu disse trinta e sete anos atrás, meu amigo!

11) Mas a viagem certamente tinha sido dolorosa, e também devagar – então Bob entrou novamente no Cadillac, como naquele comercial, e nos dirigiu direto para a “Highway 61” e quando aquelas todas estavam em chamas, eu não consegui evitar de baixar minha cabeça e chorar porque uma amiga de Woodstock havia me ligado à tarde dizendo que o grande Levon Helm havia falecido. Então, eu estava dedicando em mim mesmo esta canção para ele, e eu espero que Bob me perdoe por fazer isso sem seu consentimento. Quando o telefone tocou com um número dos EUA, e a doce garota de Woodstock me disse a ruim notícia, eu imediatamente pensei em quem, como e quando deram a notícia para Bob. Quantas vezes já, cara? “Richard Manuel está morto”, “Rick Danko está morto”, “Richard Farina está morto”, “Victor Maymudes está morto”. Quem foi o escolhido para abordar Bob e dizer coisas como essas? Eu não sei – o que eu SEI é que ele continua na estrada e certamente não existe melhor forma para honrar todos os heróis falecidos na vida de Bob.

12) E então a imensa e vencedora estrada pegou ele, e nós, para esta misteriosa e velha cidade do oeste, com árvores africanas sendo torturadas pelo vento quente e ele nos mostrou que, sim, ele pode ser um agente funerário, ou no mínimo “The Man in the Long Black Coat”. Para mim – com tantos shows no meu próprio percurso – este foi o melhor momento não do show como um todo, mas da minha apresentação particular, porque foi um prêmio e uma surpresa e eu simplesmente amo ouvir os grilos e as forças que divagam nesta canção. Portanto eu deixei minha casa e família na companhia de um estranho, e nem ao menos deixei um recado.

13) E o cavalo me levou até o pé da “Thunder Mountain”. O trovão ressoa um temeroso som de ópera nas nuvens que cercam seu pico, mas Bob parece decidido a escalar de qualquer maneira. E como ele está no local cheio de grandes montanhas como é Minas Gerais, ele nos entrega um rock sólido, como se tivesse sido feito antes da fundação do mundo. Ótima e estrondosa versão, com Bob influenciando no ritmo natural da canção, fraseando em seu teclado de um modo carrancudo, idiossincrático, altamente pessoal e que fez Tony Garnier abrir um grande sorriso.

14) “Ballad of a Thin Man” – tem como ficar melhor? Eu acho que esta música representa melhor que qualquer uma o modo como Dylan está se sentindo nesses dias – relaxado, feliz, satisfeito consigo mesmo e com sua “velha-nova” platéia. É a parte do show que ele realmente pode mostrar seu “novo” estilo-marionete de se movimentar, braços bem abertos, manejando dois microfones e a gaita, ouvindo os ecos de sua própria voz nos anéis de fumaça de sua mente…

15) Então, “Like a Rolling Stone” completamente diferente de duas noites anteriores, graças, principalmente, à platéia que cantou BEM ALTO, gritando cada palavra. Todos da banda estavam surpresos: eles estavam com os olhos esbugalhados e sorriram BASTANTE entre eles e para o público. Então Bob simplesmente NÃO cantou o refrão, até o fim, apenas deixando a platéia fazer o trabalho por ele. E nós fizemos, cara – como se para provar, sem nenhuma razão patética “nacionalista” – que o Brasil “merece” ter um brasileiro para filmar “On the Road” e esses produtores brasileiros (eu nunca ouvi falar deles) parece estarem prontos para fazer um filme das músicas de “Blood on the Tracks”. Eu já fui em 70 (73, em BH) shows de Dylan e eu NUNCA vi um público dando tão caloroso ao chamado selvagem! TODO MUNDO cantou, cara! TODA PORRA DE ALMA em cada espaço, da Milena de 12 anos até os pais “perdidos” de Ana Paula, a adorável garota que estava perto de mim. Do Pena do “afternoon show”, para o Fabão, um dylanologista, mais os pais e mães por toda a região, eles não criticaram porque eles PODIAM entender. Para várias pessoas imediatamente se tornou uma noite histórica, que será lembrada durante muito tempo. E Bob com certeza sentiu esta energia, cara! Pergunte a ele se quiser!

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=WWRcYo_gRSw]

16) Então, “All Along the Watchtower”. Bom, você sabe, nós esperamos que Bob mude seu repertório sempre. Não precisa fazer isso mais. Ele encontrou a melhor forma de agradar o público com esta perfeita sequencia final de canções, eu acho. Foi ótimo e todo mundo novamente cantou junto.

17) Eles foram embora, então voltaram novamente e jogaram mais algumas pedras nesta terra de pedras preciosas e finalizaram com uma ótima versão de “Rainy Day Woman”. Caros, vocês TODOS tinham que estar lá – se não no próprio show, pelo menos na calçada em frente ao local para ver as sorridentes faces que diziam tudo. Foi uma viagem incrível, através das montanhas da destruição, mas nos levou até os portões de Éden. Não poderíamos ir, contudo, porque nosso guia não pode voltar ao paraíso mais: alguns dizem que ele matou um homem por lá.

Eduardo Bueno
fotos por: Igor Trarbach

8 thoughts on “Bob Dylan em BH, por Eduardo Bueno

  1. Cara, foi tudo isso e mais! é o tipo de história que você vai contar aos filhos, netos. Sou eternamente grato por poder estar ali, por viver aqui tudo.
    Like a Rolling Stone…Like a Rolling Stone… Não sei bem o que dizer o que senti, como todos que estavam ali cantando e Dylan nos permitindo fazer parte do seu show.
    Não há como esquecer de cada momento que vivi ali, simplesmente não há.

  2. Nunca imaginei que teria a oportunidade de ver Dylan e todo o seu “gracejo” no palco, seu estilo meio sem jeito, sua risada torta, uma mão na cintura e a outra na gaita… enfim, simplesmente lindo, emocionante, delirante.
    Eduardo, adorei seu texto e você é uma figura! Abraços!
    PS: E o pastel de palmito que lhe indiquei, curtiu? ;-)

  3. Galera,quem não viu …veja os vídeos no youtube e compare com os outros shows dessa turnê nas outras cidades,escute a platéia …Dylan estava inspirado e a platéia sensacional,as pessoas mais lindas e inteligentes de BH estavam lá ,cantando TODAS as músicas…E o legal q esse depoimento acima é do cara q tem doutorado em Bob Dylan ,o Eduardo Bueno,q estava do meu lado no show,e não perdi a oportunidade de fazer amizade e conversar muito com ele sobre Dylan( só uma ressalva,pena q errou minha idade…Pô , Peninha eu tô mais perto dos 40 q dos 50 …me ajuda ae né…rsrsrs)Abraço e adorei seu texto…

  4. Ae Galera o youtube tá liberado ,tem o show inteiro do Dylan em São Paulo…e a mineirada q falou tanto do show de BH q foi o MARAVILHOSO….favor não nos deixar sem esse privilégio q foi ver um SHOWZAÇO com o Bob Dylan tão inspirado…POSTEM OS VIDEOS DO SHOW DE BH NO YOUTUBE !!! pelo amor de Deus …EU QUERO VER !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *