“Murder Most Foul”: sobre JFK, Dylan lança primeira música autoral em 8 anos

Bob Dylan soltou há algumas horas, de surpresa, uma canção inédita, e épica, chamada “Murder Most Foul”, acompanhado de uma mensagem simples e direta – claramente tendo como contexto o isolamento social diante da pandemia de Covid-19:

“Greetings to my fans and followers with gratitude for all your support and loyalty across the years. This is an unreleased song we recorded a while back that you might find interesting.
Stay safe, stay observant and may God be with you.
Bob Dylan”

“Saudações para meus fãs e seguidores com gratidão por todo seu apoio e lealdade durantes os anos. Esta é uma canção inédita que gravamos há algum tempo e vocês talvez achem interessante.
Fique seguro, fique atento que Deus esteja com vocês.”

De quase 17 minutos, “Murder Most Foul” evoca a morte de John Fitzgerald Kennedy, 35º presidente dos Estados Unidos, que morreu assassinado em público enquanto acenava para a população de Dallas, Texas, ao mesmo tempo que contextualiza os anos 1960 a turbulência dos anos seguintes.

Como uma das características de Dylan, a canção possui inúmeras referências e citações, passando por artistas como Beatles, The Who, John Lee Hooker, Nat King Cole, Etta James, Don Henley, Thelonious Monk e tantos outros; festivais de música Woodstock e Altamont; até filmes, como o clássico de terror A Hora do Pesadelo.

Já há uma playlist no Spotify com as canções citadas:

A gravação é solta, como um devaneio poético tendo como pano de funo um leve tecido harmônico. O tempo parece suspenso a partir de contribuições sutis do piano, violino, contrabaixo e alguns toques de bateria.

Dylan diz que a gravou há algum tempo, sem dizer se é uma sobre de sessões já lançadas (como o de Triplicate) ou de uma sessão nova que se transformará em um álbum de inéditas. Ao analisar sua voz, é possível perceber que ela está com o timbre mais recente – até mesmo que Triplicate. Por ser uma canção inédita, meu palpite é que se trata de uma sessão para um futuro álbum – o primeiro de canções autorais desde 2012. Torçamos!

Shakespeare e Cinema

“Murder Most Foul” faz referência a uma frase da obra Hamlet, de Shakespeare – que também foi usada como título para um filme de 1964 dirigido por George Pollock com base na detetive Miss Marple, de Agatha Christie.

É quando o Fantasma comenta sobre sua própria morte:

“Murder most foul, as in the best it is/ But this most foul, strange and unnatural.”

“Todo assassinato é infame; Este é infame, perverso – monstruoso” (tradução de Millôr Fernandes)

O álbum Tempest, seu último disco de canções autorais, tem no título também uma referência a Shakespeare – que também possuia canções épicas, dessa vez sobre Titanic (!!) e John Lennon.

Transcrição da letra:

Um colaborador do fórum Expecting Rain já tratou de transcrever a gigantesca letra. Ainda devem ter alguns ajustes, mas aqui está para quem quiser acompanhar:

twas a dark day in dallas, november ’63
the day that would live on in infamy
president kennedy was a-ridin’ high
good day to be livin and a good day to die
being led to the slaughter like a sacrificial lamb
he say wait a minute boys you know who i am
of course we do, we know who you are
then they blew off his head while he was still in the car
shot down like a dog in broad daylight
was a matter of time and the timing was right
you got unpaid debts we’ve come to collect
we gonna kill you with hatred, without any respect
we’ll mock you and shock you and we’ll put it in your face
we’ve already got someone here to take your place

the day they blew out the brains of the king
thousands were watching, no one saw a thing
it happened so quick and so quick by surprise
right there in front of everyone’s eyes
greatest magic trick ever under the sun
perfectly executed, skillfully done
wolf man oh wolf man oh wolf man howl
rub-a-dub-dub it’s a murder most foul

hush little children you’ll understand
the beatles are comin, they’re gonna hold your hand
slide down the banister, go get your coat
ferry across the mersey and go for the throat
there’s three bums comin all dressed in rags
pick up the pieces and lower the flags
i’m goin to woodstock, it’s the aquarian age
then i’ll go to altamont and sit near the stage
put your head out the window, let the good times roll
there’s a party goin on behind the grassy knoll

stack up the bricks, pour the cement
don’t say dallas don’t love you, mr president
put your foot in the tank and step on the gas
try to make it to the triple underpass
blackface singer white face clown
better not show your faces after the sun goes down
up in the red light district like a cop on the beat
livin in a nightmare on elm street

when you’re down in deep ellum put your money in your shoe
don’t ask what your country can do for you
cash on the barrelhead, money to burn
at dealey plaza, make a lefthand turn
i’m goin down the crossroads, gonna flag a ride
the place where faith, hope, and charity died
shoot him while he runs boy, shoot him while you can
see if you can shoot the invisible man
goodbye charlie, goodbye uncle sam
frankly, miss scarlett, i don’t give a damn

what is the truth? where did it go?
ask oswald and ruby, they oughta know
shut your mouth said the wise old owl
business is business, and it’s murder most foul

tommy can you hear me on the acid queen?
i’m ridin in a long black lincoln limousine
ridin in the backseat next to my wife
headin straight on into the afterlife
i’m leanin to the left got my head in her lap
oh lord i’ve been led into some kind of a trap
well we ask no quarter, no quarter do we give
we’re right down the street from the street where you live
they mutilated his body and they took out his brain
what more could they do? they piled on the pain
but his soul was not there, where it was supposed to be at
for the last 50 years they’ve been searching for that

freedom oh freedom, freedom over need
i hate to tell ya mister but only dead men are free
send me some loving, tell me no lie
throw the gun in the gutter and walk on by
wake up little suzie let’s go for a drive
cross the trinity river let’s keep open eyed
turn the radio on, don’t touch the dials
heartland hospital only six more miles
you got me dizzy ms lizzy you fill me with lead
that magic bullet of yours is goin on ahead
i’m just a patsy like patsy cline
never shot anyone from in front or behind
got blood in my eye, got blood in my ear
i’m never gonna make it to the new frontier

zapruder’s film i seen the night before
seen it 33 times, maybe more
it’s vile and deceitful, it’s cruel and it’s mean
ugliest thing that you ever have seen
they killed him once and they killed him twice
killed him like a human sacrifice
the day that they killed him someone said to me, son
the age of the antichrist has just only begun
air force one comin in through the gate
johnson sworn in at 2:38
lemme know when you decide to throw in the towel
it is what it is, and it’s murder most foul

what’s new pussycat, what’d i say?
i said the soul of a nation been torn away
and it’s beginning to go into a slow decay
and that it’s 36 hours past judgement day

wolfman jack he’s speakin in tongues
he’s going on and on at the top of his lungs
play me a song, mr wolfman jack
play it for me in my long cadillac
play me that only the good die young
take me to the place tom dooley was hung
the saint james infirmary in the court of king james
if you want to remember you better write down the names
play etta james too, play the i’d rather go blind
play it for the man with a telepathic mind
play john lee hooker, play scratch my back
play it for that strip club owner named jack
guitar slim goin down slow
play it for me and for marilyn monroe

play please don’t let me be misunderstood
play it for the first lady she ain’t feelin too good
play don henley, play glenn frey
take it to the limit and lettin’ it go by
play it for carl wilson too
lookin far far away at down gower avenue
play tragedy, play twilight time
take me back to tulsa to the scene of the crime
play another one and another one bites the dust
play the old rugged cross and in god we trust
ride the pink horse down that long lonesome road
stand there and wait for his head to explode
play mystery train for mr mystery
the man who fell down dead like a rootless tree
play it for the reverend, play it for the pastor
play it for the dog that got no master
play oscar peterson, play stan getz
play blue sky, play dicky bettes
play art pepper, thelonious monk
charlie parker and all that junk
all that junk and all that jazz
play somethin for the birdman of alcatraz
play buster keaton, play harold lloyd
play bugsy segal, play pretty boy floyd
play the numbers, play the odds
play cry me a river for the lord of the gods
play number nine play number six
play it for lindsey and stevie knicks
play nat king cole, play nature boy
play down in the boondocks for terry malloy
play it happened one night and one night of sin
there’s 12 million souls that are listenin in
play merchant of venice play merchants of death
play stella by starlight from lady macbeth

don’t worry mr president, hope’s on the way
your brothers are comin’, there’ll be hell to pay
brothers, what brothers?
what’s this about hell?
tell em we’re waiting, keep coming, we’ll get them as well

love field is where his plane touched down
but it never did get back up off the ground
was a hard act to follow, second to none
they killed him on the altar of the rising sun
play misty for me and that old devil moon
play anything goes and memphis in june
play lonely at the top and lonely are the brave
play it for houdini spinnin around in his grave
play jelly roll morton, play lucille
play deep in a dream and play driving wheel
play moonlight sonata in f#
and the key to the highway but the king of the heart
play marching through georgia and dumbarton’s drums
play darkness and death will come when it comes
play love me or leave me by the great bud powell
play the bloodstained banner, play murder most foul

Retrospectiva dylanesca 2019

Duas caixas de música, um semi-documentário e 77 shows no ano. Este foi o 2019 de Bob Dylan em números. Ele também trouxe novidades para seu time de músicos e trouxe canções há muito não tocadas.

1) Rolling Thunder na Netflix

Depois de 10 anos do início do projeto, a equipe de Dylan e Scorsese finalmente lançaram o filme sobre a turnê Rolling Thunder Revue, ocorrida em 1975, e com lançamento na Netflix em junho . Ao invés de um documentário, como No Direcion Home, Scorsese preferiu revisitar a intenção de Dylan com o filme Renaldo & Clara e fazer um pseudo-documentário, mais fantasioso do que real.

2) The Live Recordings 1975

Para rechear ainda mais o contexto da Rolling Thunder (e encher o bolso do nosso velhinho), também foi lançado um box com todos os shows gravados da turnê. São 14 CDs

3) Bob Dylan faz 78 anos

Em maio, Bob Dylan fez 78 anos e escrevi meu devaneio anual sobre ele. “Há uma diminuição de velocidade e uma preferência por um repertório mais estático, mas ainda há espaço para experimentações, improvisos e uma necessidade de conectar com seu público.”

4) Novos integrantes na banda

A partir de outubro, Bob Dylan fez algumas mudanças na banda, trocando o baterista, adicionando um guitarrista, mudando o modelo do piano e acrescentando três manequins em roupa de gala.

5) Correspondente EUA

Para o show em Palo Alto, minha amiga Leca fez uma resenha do show e toda a experiência do evento.

6) Bootleg Series – Travelin’ Thu

No começo de novembro, Bob Dylan lançou o décimo quinto volume de sua Bootleg Series, intitulado “Travelin’ Thru”. São 50 faixas distribuídas em 3 CDs (ou 3 LPs). Ao contrário das edições mais recentes da série, Travelin’ Thru possui apenas uma versão e é menos extenso.

Resenha: Travelin’ Thru – The Bootleg Series, Vol.15

Resultado de imagem para travelin thru bob dylan

No começo de novembro, Bob Dylan lançou o décimo quinto volume de sua Bootleg Series, intitulado “Travelin’ Thru”, que aborda registros entre 1967 a parte de 1970 – apesar da descrição estar até 1969. No total, são 50 faixas distribuídas em 3 CDs (ou 3 LPs). Ao contrário das edições mais recentes da série, Travelin’ Thru possui apenas uma versão e é menos extenso – talvez influenciado pelo lançamento há menos de 6 meses do box Live Recording 1975, com 14 CDs (e o relançamento de Bootleg Series Vol. 5).

Unboxing

O box é bem mais simples que outros da Bootleg Series. A caixa é mais frágil e há apenas um livreto contendo algumas fotos e textos do fotógrafo Ben Rollins, a cantora Rosanne Cash e o jornalista Colin Escott.
Confira o vídeo:

Disco 1: John Wesley Harding e Nashville Skyline

O primeiro disco, com 15 faixas, contempla as sessões de gravação dos álbuns John Wesley Harding (17 de outubro e 6 de novembro de 1967) e Nashville Skyline (13 e 14 de fevereiro de 1969).  No livreto do box, Colin Escott explica que pouco foi aproveitado dos takes de John Wesley Harding porque as versões eram muito parecidas entre si (mostrando uma breve mudança de comportamento de Dylan). Escott também informa que as sobras de Nashville Skyline foram perdidas pela Columbia/Sony, havendo apenas algumas  versões inéditas.

De maneira geral, as faixas das sessões de John Wesley Harding são inferiores que as que foram para o álbum. “As I Went Out One Morning” é vagarosa, mas perde a malandragem do conto; “I Dreamed I Saw St. Augustine” e “I Pity The Poor Immigrant” são mais rápidas, perdendo a melancolia. Como John Wesley Harding é um dos meus discos favoritos, gostaria que tivesse mais takes, mesmo que com versões parciais. Não há qualquer registro de músicas tão emblemáticas como “Dear Landlord”, “The Wicked Messenger” e principalmente “The Ballad of Frankie Lee and Judas Priest”.

Sobre Nashville Skyline, temos faixas mais interessantes. “To Be Alone With You” começou num ritmo shuffle e com parte da letra diferente. “Tell Me That It Isn’t True” é rápida, se distanciando do conteúdo da letra, mas com um arranjo muito bom. O grande destaque é “Western Road”, outtake inédito que no livro “The Recording Sessions” foi intitulada apenas como “blues”.

Disco 2/3: Dylan-Cash Sessions

Além da versão de “Girl From North Country” que saiu em Nashville Skyline, algumas canções do encontro de Dylan e Johnny Cash já circulavam em bootlegs não-oficiais (como Nashville Sessions e A Tree With Roots), mas muitos fãs ainda esperavam takes inéditos deste registro ocorrido em apenas dois dias – 17 e 18 de fevereiro de 1969.

Nas 25 faixas contidas em Travelin’ Thru (19 no Disco 2 e outras seis no Disco 3), é possível ver Johnny Cash solto e se divertindo. Dylan também se diverte, mas é perceptível uma certa timidez, talvez por ter câmeras no estúdio, mas também talvez pela própria presença de Cash, que apesar da proximidade desde que se conheceram em 1964 continuava sendo um de seus grandes ídolos.

O registro é bacana, mas menos do que eu esperava. As sessões parecem ser despretensiosas, mas também meio perdidas – Dylan não sabe as letras de boa parte das canções. São dois cantores com características únicas e caminhos próprios – que dificulta um dueto improvisado.

Entre os destaques do encontro está “One Too Many Mornings”, “Careless Love” com uma letra divertida, a dobradinha “Don’t Think Twice, It’s Alright” com “Understand Your Man” – ambas compartilhando a mesma fonte melódica e “Wanted Man”, escrita por Bob Dylan e lançada por Cash:

Disco 3: Johnny Cash Show e Earl Scruggs

O Lado B do disco 3 começa com as gravações do primeiro episódio do Johnny Cash Show, tendo Bob Dylan como convidado inaugural. As gravações ocorreram em 1º de maio de 1969 e temos três canções: “I Threw It All Away”, “Living The Blues” e o dueto “Girl From North Country”. Nas três, temos um Dylan mais introspectivo, tímido e quase inseguro – algo completamente plausível quando se imagina que era a primeira aparição na TV depois de anos de reclusão. Ainda assim são belíssimas interpretações.

Depois temos mais duas canções de Johnny Cash, dessa vez sem o próprio. Ocorrida em 3 de maio de 1969, Dylan parece ter gostado do universo country e revisitou grandes canções que marcaram sua história: “Ring of Fire” e “Folsom Prison Blues”.

Para finalizar, cinco faixas de um ensaio casual de Dylan com Earl Scruggs para o documentário “Earl Scruggs Perfoming with His Family and Friends”. Bob Dylan parece bem mais à vontade e solto, oferecendo algumas versões interessantes, com destaque para “To Be Alone With You”

Nashville Cats

Parte de Travelin’ Thru é uma lupa breve mas interessante sobre a aproximação de Bob Dylan com o country de Nashville. Para muitos, foi este encontro que criou o country-rock que vieram pela frente, com discos de Neil Young, Leonard Cohen e muitos outros. É importante aqui enfatizar o nome do produtor Bob Johnston, que fez toda a conexão entre Dylan, Cash e Nashville.

Entre a mágica de Nashville estava a altíssima qualidade dos músicos profissionais de estúdio. Conhecidos como Nashville Cats, tiveram uma projeção para além do country graças a Dylan.

Esta relação foi tema de uma grande exposição em Nashville anos atrás, com o lançamento de um livro e um CD.

Conclusão

Com pouco mais de duas horas, os três discos criam um passeio divertido, apesar de breve. Como já dito, não detalha muito este período interessantíssimo. Imaginar que no mesmo ano de de 1967 e Sgt. Peppers, Surrealistc Pillow e Are You Experienced, Bob Dylan voltava à cena depois de lançar Blonde On Blonde com um disco feito apenas com violão, gaita, baixo e bateria (e um breve lap steel).

Sinceramente, creio ser o pior volume de todos os quinze já lançados. Não busca trazer uma nova visão sobre o período e sua produção gráfica parece preguiçosa. Não garimpa de verdade.

Para um fã de Bob Dylan é um lançamento relevante e divertido, mas muito aquém do que já foi revisitado e descoberto.

Abaixo, um breve documentário (com algumas pessoas meio aleatórias) sobre esta fase: