Documentário sobre Mavis Staples tem Bob Dylan!

Mavis Staples

O mais novo documentário da HBO, a ser lançado no “dia bissexto”, 29/02/16, e terá como objeto de estudo a lendária cantora Mavis Staples. Entre as contribuições, ninguém mais, ninguém menos que – quem diria! – Bob Dylan, com depoimento sobre a artista.

Mavis Staples nasceu em 10 de julho de 1939, em Chicago. Desde os 11 anos já tocava com a família no Staples Singers, grupo liderado pelo pai de Mavis, Roebuck “Pops” Staples. Entre os sucessos da família, estão várias covers de canções do Dylan, como:

Desde 1969 Mavis passou a lançar discos solo, mas nos anos 2000 sua carreira passou a ganhar um público mais jovem – ela assinou em 2007 um contrato com a ANTI- records, que também trabalha com Tom Waits, por exemplo.

Seu mais recente trabalho foi lançado no começo de 2016, High Note:

Bob Dylan <3 Mavis Staples

A relação de Bob Dylan com Mavis Staples é de longa data. Quando ouviu pela primeira vez a voz de Mavis, Dylan afirmou ter ficado arrepiado. Sua admiração foi tamanha que Bob chegou a ter um romance com Mavis durante os anos 60. No final da mesma década, pediu a cantora em casamento, mas recebeu um triste “não” (Mavis conta que sua família era muito próxima de Martin Luther King Jr., famoso pastou defensor dos direitos civis dos negros, e ela achou que ele não aprovaria um casamento com um homem branco). Anos depois, ambos assumiriam o desdém de Mavis como “um amor perdido”.

Em 2002, Bob Dylan gravou uma versão reescrita de sua canção “Gonna Change My Way of Thinking” para a compilação de sua canções gospel “Gotta Serve Somebody – The Gospel Songs of Bob Dylan”. Para este registro, chamou justamente Mavis para encenar um diálogo bem humorado.

OUÇA AQUI

Bob: Vejam! Tem alguém vindo pela estrada, rapazes!
*toc toc
Mavis: Hey, Hey! E aí, Bobby!
Bob: Hey! É a Mavis Staples!
Mavis: Hey, camaradas! Como estão? Ah, é bom ver todos vocês!
Meu Deus, Bobby, você tem um ótimo lugar aqui!
Bob: Bem, seja bem vinda a Califórnia, Mavis!
Mavis: Muito obrigado! Wow, você tem uma ótima vista!
Bob: Sim! Você pode sentar na varanda e olhar diretamente para o Havaí.
Mavis: É! Eu estava próximo daquelas montanhas!
Bob: Por que?!
Mavis: Eu estava a procura de alguns sapatos. Eu estou um pouco com fome agora. Você não tem nada para comer?
Bob: Bom, eu tenho certeza que temos. (Chamando) Mulher, nós temos algo para comer?
Mulher: Claro! Temos várias galinhas soltas pelo quintal.
Bob: Bem, nós vamos abater algumas delas e fritá-las. Bem, Mavis… eu tenho estado triste.
Mavis: Ah, Bobby! Não me diga que você está triste!
Bob: Aham, eu tenho estado acordado a noite toda, com insônia, lendo “Snoozeweek”
Mavis: Oh, “Snoozeweek”! Isso não irá te tirar a tristeza.
Bob: Aham…
Mavis: Nós temos que cantar! Vamos fazer um canto!
Bob: Ah, sim!
Mavis: Cante sobre, você sabe?

Veja um trailer do documentário “Mavis” (Bob Dylan aparece rapidamente no segundo ’21. Aparentemente é uma gravação antiga, talvez no começo dos anos 2000):

 

Bob Dylan é protagonista em novo clipe!

Acabou de ser lançando o novo clipe de Bob Dylan. O vídeo tem como trilha “The Night We Called It a Day”, do disco Shadows In The Night. Como tem ocorrido nos últimos clipes, a história romântica é contata sob uma ótica violenta e sanquinária (lembre-se de “Duquesne Whistle”, “Beyond Here Lies Nothin’” e “Must Be Santa”).

Com uma roupagem em preto-e-branco, como os antigos filmes, Bob Dylan compete com o ator Robert Davi (que, coincidência ou não, também lançou um álbum com canções já interpretadas por Sinatra) o coração de Tracy Phillips. O resultado é uma sucessão de assassinatos, com Dylan escapando ileso.

Confira!

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=iOxy_hy22CA[/youtube]

O clipe foi dirigido por Nash Edgerton, o mesmo de “Duquesne Whistle.

Manuscrito de “Like a Rolling Stone” é leiloado e bate recorde

Like A Rolling Stone

Um rascunho de “Like a Rolling Stone” foi leiloado hoje pela Sotheby’s e bateu recorde de valor. As quatro páginas do hotel Roger Smith, de Washington, DC, rabiscadas por Bob Dylan foram vendidas a surpreendentes US$2,045 milhões (mais de R$4,550 milhões).

A quantia superou o último recorde de um manuscrito de música pop leiloado: a letra de “A Day In the Life”, de John Lennon, vendida por “apenas” US$ 1,2 milhões (cerca de R$2,67 milhões) em 2010.

Além do rascunho da letra final, o documento contém rabiscos, devaneios e letras não utilizadas (como “dry vermouth/You’ll tell the truth”, “it feels real”, “does it feel real”, “get down and kneel”, “raw deal” e “shut up and deal”)

No mesmo leilão, a letra de “A Hard Rain’s A-Gonna Fall” também foi vendida – US$485 mil (cerca de R$1,08 milhões).

Bob Dylan na Encruzilhada

[vimeo=http://vimeo.com/92133080]

Muitos devem se perguntar: por que um manuscrito foi vendido por tanto dinheiro? A questão é tão simples quanto se questionar sobre os leilões de quadros. “Like a Rolling Stone” vai além da carreira e conjunto da obra de Dylan. A canção, lançada no disco Highway 61 Revisited, foi um marco quando lançada, em dia 15 de junho de 1965, por vários motivos.

Bob Dylan disse que escreveu “um vômito, que parecia ter 20 páginas”; Bruce Springsteen já declarou que o início da música soou como uma porta arrombada por um ponta-pé; A revista Rolling Stone (cujo próprio nome é uma possível referência) colocou a canção em primeiro lugar entre as 500 músicas mais importantes da história.

E Greil Marcus, especialista em Bob Dylan, escreveu em 2005 o livro “Like a Rolling Stone – Bob Dylan na Encruzilhada” apenas sobre a música, suas referências e influências.