Veja vídeo interativo de “Like A Rolling Stone”!

LARS-Interative

A histórica canção “Like A Rolling Stone” ganhou seu primeiro clipe depois de quase 50 anos. A Columbia resolveu utilizar a música para divulgar o “Album Collection Vol. One” e fez um clipe interativo.

No vídeo, é possível alternar entre diversas situações, como se fossem canais de TV, e ver as pessoas dublando a letra. Em um dos canais, Bob Dylan está presente com imagens de arquivo.

Assista aqui.

Desvendando The Complete Album Collection Vol. One

The Complete Album Collection Vol. One

A Columbia colocou nas lojas, no último dia 5, um box “definitivo” com todos os álbuns oficiais de Bob Dylan lançados ao longo dos 50 anos de carreira (exceto Biograph e a série de Bootlegs).

Antes de falar do box, é preciso falar da rapidez na entrega. Comprei pela loja oficial do Bob Dylan, que é comandada pela My Play Direct. Apesar da data de lançamento ser no dia 5, um dia antes minha caixa já estava nas mãos da UPS. E, o mais incrível, é que no dia 7 o entregador estava batendo na minha porta!

[vimeo=https://vimeo.com/75402141]

Mas, infelizmente, fui taxado pela compra. Assim, além dos quase R$ 800 pagos na compra, ainda tive que desembolsar mais R$740 de impostos. O valor ficou bem salgado, mas ainda abaixo do que é vendido aqui no Brasil (a Livraria Cultura, por exemplo, não há estoque disponível e o valor é de mais de R$ 2.300).

Mesmo pela cobrança inesperada, assim que peguei o box nas mãos, as preocupações financeiras sumiram.

A Caixa

Frente & Verso

A caixa vermelha, com três fotos de Bob Dylan em preto-e-branco, contém um total de 47 CDs, sendo os 41 álbums oficiais + um disco duplo, Side Tracks, contendo músicas que só foram lançadas em compilações. Também faz parte da coleção um livreto de 260 páginas com textos inéditos e informações dos discos.

LateralBox

Álbuns oficiais

Álbuns

Os discos estão em encartes fiéis ao layout original, incluido os discos duplos. Alguns não foram corretamente coladas e ficam meio tortos; a cola de alguns não parece muito confiável a médio prazo (dando a impressão que se desgrudará aos poucos). Parece que faltou um pouco de preocupação com esses detalhes – erro grave quando se trata de um produto tão caro.

Dos 41 discos, 14 foram remasterizados pela primeira vez (são eles: Self Portrait, Pat Garrett & Billy the Kid, Dylan, At Budokan, Hard Rain, Street-Legal, Saved, Real Live, Empire Burlesque, Knocked Out Load, Down In The Groove, Under The Red Sky, Good As I Been To You e World Gone Wrong). Vale lembrar que três álbuns “polêmicos” foram inclusos: os discos que Bob Dylan gravou pela Asylum (Planet Waves e Before The Flood) e o álbum que a Columbia lançou como “vingança” pela saída de Bob, intiulado apenas Dylan.

Side Tracks

Side Tracks

O disco duplo Side Tracks contém 30 músicas que não estão em nenhum álbum oficial, mas que apareceram em compilações (como é o caso de “Positively 4th Street”, que foi lançada pela primeira vez como single, em 1965).

Abaixo, a relação completa de faixas:

CD1
01. Baby, I’m in the Mood for You
02. Mixed-Up Confusion (Single Version)
03. Tomorrow Is a Long Time
04. Lay Down Your Weary Tune
05. Percy’s Song
06. I’ll Keep It with Mine
07. Can You Please Crawl Out Your Window? (Single Version)
08. Positively 4th Street (Single Version)
09. Jet Pilot
10. I Wanna Be Your Lover
11. I Don’t Believe You (She Acts Like We Never Have Met) (Live)
12. Visions Of Johanna (Live)
13. Quinn The Eskimo (The Mighty Quinn)
14. Watching The River Flow
15. When I Paint My Masterpiece

CD2
01. Down In The Flood (Live)
02. I Shall Be Released
03. You Ain’t Goin’ Nowhere
04. George Jackson (Acoustic Version)
05. Forever Young
06. You’re a Big Girl Now
07. Up To Me
08. Abandoned Love
09. Isis (Live)
10. Romance in Durango (Live)
11. Caribbean Wind
12. Heart Of Mine (Live)
13. Series Of Dreams
14. Dignity (Alternate Version)
15. Things Have Changed

Das 30 músicas, 19 estão presentes no box Biograph, de 1985, já indicando que ele não deve aparecer no segundo volume da coleção (o Vol.2 focará nos Bootleg Series, que já somam 10 volumes e mais um deve vir ano que vem). Para Derek Barker, da revista Isis, Side Tracks é um disco pouco inspirado. Ele até sugere algumas músicas que poderiam estar nesta compilação, como “Corrina, Corrina”, “I’m Not There” e “John Birch Society Blues”.

Livreto

Livreto

O livreto é bem interessante para os fãs mais fervorosos. Contém introdução inédita de Bill Flanagan e um novo comentário de cada álbum escrito por Clinton Heylin. Também possui as informações e os textos contidos nos encartes dos álbuns.

O formato dele, com capa dura, é bonito, mas dificulta a leitura (é difícil abrir totalmente o livro para ler, por exemplo). Ainda assim, é um ótimo item e o texto de Flanagan é muito bom, em que ele aborda o aspecto atemporal e infinito da obra de Bob Dylan e termina a introdução da seguinte forma:

“[…] estes álbuns representam o melhor conjunto da obra de qualquer músico da era do rock – uma era em que enquanto eu escrevo isso já dura 60 anos. Dylan tem gravado por 50 desses anos. Se a música se sustenta por tanto tempo, não existe razão para pensar que ela não continuará falando com novos públicos por mais 50, por mais 100. E ele não terminou ainda. É provável que ele faça deste box completo incompleto cerca de 10 minutos que atingir as prateleiras.

É provavelmente seguro dizer que existem dois Bob Dylans – o artista e o indivíduo – da mesma forma que existem dois John Waynes, dois Mark Twains. Existe um rosto público, um performer, e existe o homem que o criou e que atua como. Nesta coleção você encontrará o artista público Bob Dylan. O homem nessas canções será uma das melhores companhias que você poderá ter – um viajante atirador, um co-piloto, um sábio camarada numa jornada de vida – com uma voz e uma visão heróica suficiente para desafiar o tempo.”

No final, é uma caixa para quem quer ter um conjunto bonito e funcional da carreira de Bob Dylan. Alguns detalhes deixaram a desejar, mas ainda assim vale o investimento se você é um grande fã – e tem o dinheiro disponível.

Bob Dylan no novo comercial da Jeep

Bob Dylan já emprestou sua música e até participou de algumas propagandas. Esta semana foi lançada a mais recente, para o novo Jeep Cherokee.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=_81MWUO45wc]

A trilha do comercial é de um show de 1962, no Gaslight Café. A canção se chama “Motherless Children” e foi gravada pela primeira vez em 1927 por Blind Willie Johnson.

Ouça a versão completa de Dylan para a música: