Bob Dylan x Soy Bomb

soy_bomb

Fazia apenas cinco meses que Bob Dylan lançara o disco Time Out Of Mind, famoso por colocar o artista de volta aos holofotes e resenhas positivas, quando subiu ao palco do 40º Grammy para tocar a faixa de abertura, “Love Sick”.

Bob já ganhara dois prêmios naquela noite – Melhor Disco de Folk Contemporâneo e melhor Disco de Vocal Masculino – e ainda levaria o mais aclamado, de Disco do Ano. Anos antes, recebera uma condecoração do Grammy pelo conjunto da obra, um claro sinal de que não mais produziria algo relevante.

Assim, se apresentar na premição com uma música recém-lançada era mais uma demonstração de renascimento do que de retomada (o que ficaria mais evidente depois que, na mesma época, uma doença quase o matou).

Voltemos a apresentação: após uma introdução pelo ator Kelsey Grammer, as câmeras se voltam para o palco principal. Nele, a plateia observa uma segunda plateia contornar o (segundo) palco. Uma batida constante e triste do slide de Bucky Baxter inicia a canção. Bob Dylan começa a cantar no mesmo momento que começa a palhetar sua Fender Stratocaster. Apesar da simplicidade da estrutura, não é uma canção fácil. É triste, raivosa com um eu-lírico duvidando das fontes da dor e do seu próprio sentimento.

Tudo ia bem até que um indivíduo sai do meio da plateia do entorno, tira a camisa e começa a dançar freneticamente. Em seu torso, duas palavras:

Soy
Bomb

Bob Dylan percebe a presença, mas mantem a calma. Em anos de experiência, sabe que o melhor a se fazer é seguir em frente, sem se importar. O guitarrista Larry Campbell lembra do ocorrido:

“Este cara aparece, tira a camiseta e começa a girar sem qualquer relação com a música. Meu pensamento inicial foi ‘Será que isso foi algo que Bob planejou e eu simplesmente não peguei?’. Então Bob olha para mim: ‘Quem é a porra desse cara?’”

Após pessoas da “plateia” retirarem o Soy Bomb, o clima de tensão dá lugar a risadas entre os músicos.

Conheça Michael Portnoy

10 anos após o incidente, o site The Hollywood Reporter resolveu rememorar o dia com uma entrevista com o Soy Bomb, Michael Portnoy. Ator residente de New York, Portnoy viu uma brecha para abrir mão dos 200 dólares de cachê para fazer uma “manifestação artística” para aparecer em rede nacional. Segundo ele, a escolha de “bomba de soja” é porque soja representa uma densa e nutricional vida e que ele queria que a arte representasse uma “densa, transformacional e explosiva vida”.

Se era para ser assim, era só deixar Bob Dylan fazer o que ele sabe fazer…

Portnoy hoje possui alguns projetos excêntricos e passa boa parte do ano fora dos EUA. Os poucos segundos de fama até que renderam frutos.

O Grammy tratou de excluir a invasão e fez uma versão editada da apresentação:

Resoluções de Ano Novo com Bob Dylan

  1. Passar mais tempo com a família e amigos;
  2. Fazer mais exercícios;
  3. Perder peso;
  4. Parar de fumar;
  5. Curtir mais a vida (“eu vou tentar esta”);
  6. Parar de beber;
  7. Sair do “vermelho”;
  8. Aprender algo novo (“essa é fácil se você continuar ouvindo o Theme Time Radio Hour”);
  9. Ajudar outros e voluntariar-se;
  10. Organizar-se.

E aqui está as resoluções de ano novo de Woody Guthrie:

ResoluçõesAnoNovo-WoodyGuthrie

 

Um feliz ano novo a todos!

Bob Dylan, 76 anos (ou “O escultor sonoro”)

Trinta e oito discos de estúdio, três mil e quinhentos shows e mais de quinhentas músicas depois, Bob Dylan completa setenta e seis anos de idade. Números que refletem o quanto ele passou sua vida imerso em um único tema: a Música.

Entender Bob Dylan é se aprofundar nos meandros das possibilidades da canção. Como um escultor, Dylan quer explorar todos os ângulos do seu objeto de contemplação. Se num mesmo romance coexistem raiva, tristeza, alegria e paixão, porque não seria possível na escultura sonora dylanesca?

No momento da exposição, ao invés de levar para a estrada um museu itinerante em que o que prevalece é o julgamento do infinito, Bob & cia preferem levar o próprio ateliê. Trabalha na frente do público. Permite que todos o observe produzir em tempo real. É como se ele nos deixasse apreciar o que ele faz, mas o benefício se limita até aí. Não podemos opinar e mal podemos interagir – só nos resta testemunhar seu momento de criação.

Por quê? O mais importante é a conexão que é feita. Mas qual é a conexão se Dylan pouco fala (durante os shows, durante premiações, com raras entrevistas)? A conexão se faz através da canção. Em seus shows recentes, a parca luz parece nortear uma possível máxima dylanesca: não sou eu, é a Música. E de fato sempre foi.

Porém, é preciso falar dos fatos recentes. Seus últimos discos são de canções imortalizadas por Sinatra e outros e não exploram o poder poético que lhe rendeu o Nobel de Literatura em 2016. O repertório dos shows se mantem praticamente estático, com raras mudanças e sutis alterações nos arranjos e fraseados. Dentro deste contexto, é preciso opinar:

Prefiro o Bob de outras épocas. E nem precisa ser tão distante. Do início da década 2010, dos shows de São Paulo em 2012. Sinto falta do imprevisível, do aqui-e-agora, dos resgate de canções próprias, de lançamentos de novos álbuns de inéditas, de um Dylan incomodado com a mesmice.

Mas também é preciso respeitar: se sua regra foi sempre mudar, manter-se o mesmo é uma mudança de hábito, não? Ao invés de criar esculturas distintas e diárias, Bob se propôs um novo desafio: recriar a mesma escultura incessantemente. Talvez seja um bloqueio criativo ou uma crise com sua própria criação, mas talvez seja uma imersão no desconhecido, mesmo que isso signifique uma fase de interpretação de canções de terceiros e a monotonia da repetição.

Seja como for, estaremos contigo, Bob. E entendemos sua (agri)doce indireta, mesmo que não seja de sua autoria:

“I’m sentimental, so I walk in the rain
I’ve got some habits even I can’t explain
Could start for the corner, turn up in Spain
But why try to change me now?

I sit and daydream, I’ve got daydreams galore
Cigarette ashes, there they go on the floor
I’ll go away weekends, leave my keys in the door
But why try to change me now?

Why can’t I be more conventional?
People talk, people stare, so I try
But that’s not for me, cause I can’t see
My kind of crazy world go passing me by

So, let people wonder, let ‘em laugh, let ‘em frown
You know I’ll love you till the moon’s upside down
Don’t you remember I was always your clown?
Why try to change me now?
Don’t you remember I was always your clown?
But why try to change me
Why try to change me now?”