Trovadorismo dylanesco (ou visões sobre Medgar Evers)

Bob Dylan se tornou referência antes mesmo de lançar seu primeiro sucesso. Antes de gravar The Freewhellin’ Bob Dylan – segundo álbum de carreira, que com a música Blowin’ in the Wind o promoveria a “porta-voz de uma geração”, o cantor viu essa canção ser interpretada por diversos artistas, principalmente pelo trio folk Peter, Paul and Mary (que eram agenciados pelo mesmo empresário de Dylan, Alberto Grossman).

Suas habilidades como cantor e instrumentista nunca foram seu maior trunfo e foi através de suas letras que muitos passaram a prestar atenção nas coisas que Dylan tocava no começo dos anos 60. Obedecendo uma sólida tradição folk, Dylan costumava compor canções que contavam histórias do cotidiano, quase sempre pautadas por exemplos de desigualdades.

Uma comparação de duas composições sobre um mesmo tema consegue dar a noção do objetivo e diferencial de Dylan com sua música: ele não queria apenas registrar e divulgar um fato, mas usá-lo para reflexão, utilizando de uma ação individual para apresentar os alicerces intrínsecos a um pensamento.

O fato

Medgar Evers foi um ativista dos direitos civis nos EUA dos anos 60. Entre suas reivindicações, estava o direito ao voto para o negro americano. Em 12 de junho de 1963, Evers foi assassinado por um branco – membro da Ku Klux Klan – ao chegar em casa. Ele foi enterrado como herói em um evento militar e seu caso inspirou protestos e serviu de exemplo na luta contra a segregação racial.

Há um vídeo produzido pela CBS sobre o legado e a influência de Medgar Evers na vitória de Barack Obama.

Phil Ochs

O cantor e compositor Phil Ochs utilizou a morte do ativista para escrever The Ballad Of Medgar Evers. A canção conta a história de Evers, um garoto de 14 anos, morador de Mississippi, que viu seu amigo ser enforcado por causa de sua cor. De forma simples e direta, Ochs escreve sobre o assassino que aguardava o jovem em uma emboscada. Quando Evers é enterrado, o cantor afirma que a nação ganhou um assassino, mas perdeu um homem.

The ballad of Medgar Evers

In the state of mississippi many years ago
A boy of 14 years got a taste of southern law
He saw his friend a hanging and his color was his crime
And the blood upon his jacket left a brand upon his mind

chorus:
Too many martyrs and too many dead
Too many lies too many empty words were said
Too many times for too many angry men
Oh let it never be again

And the boy became a man, the man became a cause
The cause became the hope for the country and it’s laws
They tried to burn his home and they beat him to the ground
But deep inside they both knew what it took to bring him down

chorus

The killer waited by his home hidden by the night
As evers stepped out from his car into the rifle sight
He slowly squeezed the trigger, the bullet left his side
It struck the heart of every man when evers fell and died.

chorus

And they laid him in his grave while the bugle sounded clear
Laid him in his grave when the victory was near
While we waited for the future for freedom through the land
The country gained a killer and the country lost a man

chorus

Bob Dylan

Na leitura do fato feita por Bob Dylan, o compositor manuseia de forma diferente, através da canção Only a pawn in their game. De início, ele estabelece que o tiro dado na emboscada resulta na morte de Medgar Evers, mas a partir deste ponto ele caminha em passos largos longínquos.

O homem que atirou não deve ser responsabilizado. Ele é apenas uma peça no jogo. Um jogo em que os políticos pregam aos brancos pobres que estes são melhores que os negros, enquanto os próprios políticos conquistam mais poder através dessa demagogia e os brancos pobres permanecem no fundo da multidão. Vários membros da sociedade – governadores, delegados, soldados, padres e educadores – ensinam que a pele branca é uma proteção e que os brancos devem se juntar para linchar os negros.

Evers é enterrado como um rei, mas quando o assassino morre, em seu epitáfio estará escrito que: ele é apenas uma peça no jogo deles.

Only a pawn in their game

A bullet from the back of a bush took Medgar Evers’ blood
A finger fired the trigger to his name
A handle hid out in the dark
A hand set the spark
Two eyes took the aim
Behind a man’s brain
But he can’t be blamed
He’s only a pawn in their game

A South politician preaches to the poor white man
“You got more than the blacks, don’t complain.
You’re better than them, you been born with white skin,” they explain.
And the Negro’s name
Is used it is plain
For the politician’s gain
As he rises to fame
And the poor white remains
On the caboose of the train
But it ain’t him to blame
He’s only a pawn in their game

The deputy sheriffs, the soldiers, the governors get paid
And the marshals and cops get the same
But the poor white man’s used in the hands of them all like a tool
He’s taught in his school
From the start by the rule
That the laws are with him
To protect his white skin
To keep up his hate
So he never thinks straight
’Bout the shape that he’s in
But it ain’t him to blame
He’s only a pawn in their game

From the poverty shacks, he looks from the cracks to the tracks
And the hoofbeats pound in his brain
And he’s taught how to walk in a pack
Shoot in the back
With his fist in a clinch
To hang and to lynch
To hide ’neath the hood
To kill with no pain
Like a dog on a chain
He ain’t got no name
But it ain’t him to blame
He’s only a pawn in their game.

Today, Medgar Evers was buried from the bullet he caught
They lowered him down as a king
But when the shadowy sun sets on the one
That fired the gun
He’ll see by his grave
On the stone that remains
Carved next to his name
His epitaph plain:
Only a pawn in their game

Bob Dylan conseguiu criar uma letra que abordava um fato específico, mas tratado de forma mais ampla, como exemplo de uma problemática mais universal.

Obs.: Texto baseado em um trecho do livro Bob Dylan, de Anthony Scaduto (capítulo 8).

2 thoughts on “Trovadorismo dylanesco (ou visões sobre Medgar Evers)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *