The Basement Tapes Complete: The Bootleg Series Vol. 11

Look here you bunch of basement noise
You ain’t no punchin’ bag
(You Ain’t Goin’ Nowhere)

Chegando a onze volumes, a série de “bootleg oficiais” dá um passo atrás em seu novo garimpo. Se em “Another Self Portrait” a época contemplada é de 1969 a 1971, “The Basement Tapes Complete” resgata cerca de oito meses de 1967, quando Bob Dylan se reuniu com sua banda de apoio (ainda não batizada de The Band) para algumas sessões de gravação. Tanto o período quanto os registros se tornariam essenciais e históricos.

“The Bootleg Series Vol.11: The Basement Tapes Complete” tem um visual parecido com “Another Self Portrait”. Dois livros, com textos e fotos inéditos, complementam os 6 CDs com 140 faixas, das quais 33 são completamente inéditas.

Parando o tempo

Após seu acidente de moto em julho 1966, Bob Dylan passou um tempo se recuperando enquanto adiava todos os compromissos profissionais (edição do documentário sobre a turnê de ‘66 – que nunca foi lançado – “Eat the Document”; finalização do livro “Tarantula” e uma nova turnê mundial). Em 1967, já recuperado do acidente (e possivelmente depois de esboçar algumas letras que seriam a base para o projeto The New Basement Tapes), Bob Dylan passou a se encontrar com os integrantes de sua banda de apoio, após quase todos (exceto Levon Helm) se mudarem para perto de Dylan, na região de Woodstock, em um casarão intitulado “Big Pink”.

As primeiras gravações ocorreram precariamente na casa de Dylan, na sala “Red Room”. Segundo Robbie Robertson, o primeiro objetivo era “parar o tempo”. Por conta da qualidade do som e da dificuldade de trabalhar na casa de Dylan (e suas atribuições familiares, com filhos pela casa), o grupo resolveu mudar a área de trabalho para o porão da Big Pink.

(Posteriormente, haveria outra mudança. O grupo sairia da Big Pink para uma casa na Wittenberg Road. A fita resultante destas gravações – registradas depois de Dylan gravar John Wesley Harding – formam o CD 5, com a maioria das faixas inéditas).

Os primeiros registros foram de covers e poucos esboços de coisa nova. Com o tempo, a brincadeira foi ficando séria. Uma das razões era simples: sem shows, livros e disco novo, sem grana. A banda de apoio ainda fazia parte da folha de pagamento de Dylan e ele precisava arranjar alguma fonte de renda. Resolveu compor canções e gravá-las com o intuito de distribuí-las para que outros artistas gravassem (e assim, receber direito autoral sem precisar dar as caras ao mundo).

As primeiras músicas distribuídas pela editora de Dylan circularam em 1968. Nesta época, já se sabia que Bob sobrevivera do acidente, mas ainda se especulava quais implicações, e sequelas, o incidente teria. As canções, que deveriam se manter no circuito profissional, logo chegaram ao mercado paralelo da música, iniciando um movimento histórico.

Do porão à pirataria

Em 1968, Greil Marcus foi apresentado a uma fita, entregue por um “traficante” como se fosse droga, com algumas músicas da Basement Tapes. Só no ano seguinte é que esses registros cairiam no mercado, sendo distribuídos em um vinil com uma capa branca. Para identificá-lo, apenas um carimbo: The Great White Wonder.

Aclamado como o primeiro disco pirata da história do rock, o álbum duplo continha 23 músicas, sendo apenas sete das gravações no Big Pink. Mesmo com muito esforço para interromper sua distribuição, The Great White Wonder ganhou inúmeras variações e dificultou a ação da gravadora (em 2012, o site Pitchfork fez uma ótima matéria sobre o histórico bootleg, chamando-o de “o tio bacana do vazamento de discos de hoje em dia”).

Só em 1975 que a Columbia decidiu lançar algumas das músicas gravadas em 1967. Ainda assim, escolheram algumas faixas com importância relativa e algumas das músicas tiveram partes regravadas (o intuito era garantir uma experiência sonora melhor, mas fãs gostam mais de autenticidade do que qualidade). Quando lançado, Bob Dylan se surpreendeu com as boas vendas. “Eu pensei que todo mundo já tivesse”, disse.

A partir da década de 80, outras canções deste período começaram a entrar no circuito pirata. Nos últimos 20 anos, duas compilações “extra-oficiais” foram lançadas, contemplando com intenções profissionais uma gama muito maior daquela usada pela Columbia nos anos 70. The Genuine Basement Tapes, com 5 CDs, foi usado por Greil Marcus nos anos 90 como referência para seu livro sobre esta fase. Em 2001, uma nova compilação, A Tree With Roots, fazia um upgrade no álbum quintuplo, remasterizando e organizando de outra maneira.

Arqueologia sonora

esq-dylancomplete

Agora, 47 anos depois das gravações e 39 anos depois do seu primeiro lançamento oficial, as Basement Tapes recebem a atenção e trabalho meticuloso da Columbia/Sony.

Parte das fitas de 7 polegads originais (das marcas Shamrocks, Pure Tones e Village Silver) foram resgatas pelo arquivista Jan Haust das mãos do próprio Garth Hudson – que ajudou no processo de restauração como uma espécie de consultor. Como muitas fitas estavam bem corroídas pelo tempo, e algumas caixas vazias, Haust utilizou de outras fontes: cópias das originais (feitas por um roadie de Garth), acetatos da época, DATs e o que mais fosse possível para trazer de volta toda a sonoridade.

Haust levou toda a documentação para Toronto, onde o engenheiro de restauração Peter Moore trabalhou arduamente – às vezes tendo que “passar” as fitas com um ferro.

Aí talvez esteja um dos grandes méritos da Columbia e Jeff Rosen, atual empresário de Dylan e provável idealizador da Bootleg Series. Ao utilizar de toda a estrutura e investimento do escritório de Bob e da Columbia, o resultado é um trabalho verdadeiramente arqueológico, unindo do garimpo de todos os restos materiais às tecnologias ideais para este tipo de restauração.

Neste ponto, apesar de muitos lançamentos piratas serem antecessores desta série, os “bootlegs oficias” trazem uma dignidade sonora impossível através de processos semi-profissionais dos piratas.

The Old, Weird America

The Old, Weird America

Greil Marcus se debruçou no bootleg “The Genuine Basement Tapes” para destrinchar as gravações de 1967 no seu livro de 1997 “The Old Weird America”. Na obra, essencial para os apreciadores de detalhes dylanescos misturados a devaneios quase poéticos do autor, Marcus cria um ambiente interessante. Para ele, os encontros de Dylan e a futura The Band não só fizeram o “tempo parar”, como criaram um universo tão próprio – que ainda assim dialogava com todo o cancioneiro americano – que só se justificava pensando neste período como a criação de uma nação única.

Marcus se baseia na mesma sensação criada por Harry Smith em sua essencial “Anthology of American Folk Music”. A “Smithville” era a compilação de todos os personagens e sentimentos contidos na antologia agrupados em um local utópico. Bob Dylan e cia., por sua vez, extrapolam as raízes nacionais e criam um universo paralelo – um Aleph de Borges aplicado ao contexto dylanesco, digamos.

Ao se deparar com covers, brincadeiras musicais, ensaios, estudos e composições prontas, o ouvinte se perde nas obras já existentes e naquelas que são criadas a durante seu registro – ou pouco tempo antes. Essa sensação nebulosa é a “Velha e Esquisita America” de Dylan, segundo Marcus.

Conclusão

The Complete Basement Tapes faz jus à qualidade artística de Dylan e companhia durante o ano de 1967. Se no lançamento de 1975 as canções sofreram mudanças radicais (com um bom intuito, mas pecando na execução e distanciando o disco do registro), dessa vez o objetivo foi trazer com a maior exatidão possível esses momentos incríveis e históricos.

É interessante notar os exercícios e esboços criativos de Bob Dylan. É possível já ouvir o timbre de voz que o tornaria “crooner” entre 1968 e 1973, além de se deliciar com canções inacabadas, muitas vezes nascendo no momento do registro.

 

Gibson Bob Dylan SJ-200

Como já era de se esperar, por conta de boatos, algumas fotos e a aparição rápida (e estrategicamente genial) no comercial da Chrysler, a Gibson anunciou o lançamento de um violão feito em parceria com Bob Dylan.

Segundo a empresa, o modelo é uma réplica exata de um modelo customizado SJ-200 que Dylan possui. Ele será lançado em dois formatos: uma edição para colecionador, com um selo interno autografado por Bob (apenas 175 unidades, por US$9.999), e outra “genérica” para músicos, com algumas diferenças nos detalhes e um preço menor (não encontrei o valor oficial, mas imagino que será cerca de US$5.000).

Gibson Bob Dylan SJ-200

Entre os destaques do Bob Dylan SJ-200, está o logo do olho na mão do violão em madrepérola, dois escudos no corpo e um case personalizado com o mesmo logo.

Por que um SJ-200?

Assim que se oficializou o lançamento, alguns fãs começaram a questionar a escolha do formato usado como referência. Nos últimos anos, Bob Dylan costumava alternar entre dois modelos: um Martin D-28 e um Gibson J-45.

Bob Dylan's Gear

Uma pesquisa rápida mostra que Bob Dylan usou pelo menos em três momentos da vida o J-200 (ou o SJ-200). A primeira foi durante um workshop no Newport Folk Festival, em 1965; a segunda foi durante as fotos de Nashville Skyline e no show no Isle of Wight Festival, em 1969 (que Dylan ganhou de George Harrison); e a terceira foi em 1992. Apenas na foto de 1965 nota-se os dois escudos no corpo.

Confira abaixo mais fotos do Bob Dylan SJ-200.

1398894_671593406272842_1416685614187663047_o 1780063_671593012939548_7561819104369811252_o 10733393_671593129606203_488650231312490304_o 10682396_671593249606191_4713105597008314204_o 1599429_671593359606180_7213393182447308458_o 1495237_671593326272850_8014103595143300806_o

 

T-Bone Burnett e cia.

Acabo de ver “Lost Songs: The Basement Tapes Continued”, documentário sobre a produção de “Lost In The River” da Showtime, com direção de Sam Jones. “Lost Songs” tem um aparente compromisso de ser um “making of” do disco, mas acaba se tornando um grande acervo de reflexões e a influência da pressão no processo criativo.

T Bone Burnett resolveu juntar cinco músicos de gerações relativamente diferentes para musicar letras de um Bob Dylan de 26 anos (ou de 47 anos atrás). Elvis Costello funciona como um braço direito e “olheiro” no estúdio de T Bone ao mesmo tempo que torna o projeto menos juvenil. Jim James (do My Morning Jacket) é o extrovertido que possui experiência suficiente para uma aparente facilidade para compor. Taylor Goldsmith (The Dawes), Marcus Mumford (Mumford & Sons) e Rhiannon Giddens (Carolina Chocolate Drops) formam o grupo dos novatos que ainda precisam de tempo e saúde mental para conseguir extrair harmonias e melodias.

O documentário começa com a forma de cada um encarar a aventura: 24 letras de Bob Dylan para serem musicadas em duas semanas, no lendário estúdio da Capitol, com o imponente e talentoso T Bone na produção e câmeras por todo lado. Alguns usam de todo apetrecho tecnológico para gravar ideias ou rascunhos bem definidos – vão desde gravações com iPhone no banheiro do avião (Elvis Costello) até um mini estúdio improvisado em um hotel (Jim James). Nesta primeira parte, tudo parece ser patrocinado pela Apple, com iPads, iPhones e Macs pipocando na tela.

Se alguns seguem o encontro com ideias completas e avançadas, outros rascunham coisas esperando um projeto mais colaborativo. Neste ponto, Marcus e Rhiannon são os que mais sofrem: chegam com quase nada e frustram-se ao se verem mais despreparados do que o resto do grupo. Taylor se vê como um coadjuvante ponderado, que sabe seu humilde lugar no “dream team”, trazendo boas melodias e belas canções. Mas Rhiannon não possui voz suficiente para impor suas ideias e seu processo criativo e Marcus se vê no beco da pressão por metas que o sobrecarrega.

E é aí que nasce um dos pontos mais interessantes e paradoxais do projeto.

O período que surgiram as letras são opostos a esses descritos acima. Bob Dylan ainda se recuperava de um acidente de moto que o obrigou, ou o presenteou, com um sumiço da vida pública. Neste meio tempo, ganha também sua banda de apoio como vizinhos. Desrespeitando todos os prazos (Dylan atrasou em 8 meses a edição de um documentário que nunca foi ao ar e seu livro Tarantula só chegaria às prateleiras 4 anos depois) Bob começa a compor letras exaustivamente. Segundo o dylanólogo Sid Griffin, este é o período mais produtivo da carreira de Dylan.

Se somarmos todas as músicas gravadas durante as Basement Tapes e as letras entregues a T Bone Burnett para o projeto, temos quase 80 obras (é óbvio que algumas músicas gravadas por Dylan e The Band são meros exercícios, mas não deixam de ter valor criativo). Isso sem contar os arranjos desenvolvidos por Dylan e os vizinhos para músicas de outros autores.

Segundo Robbie Robertson, as gravações tinham o objetivo de “parar o tempo” e Dylan afirma que apenas as compunha por que sentia que precisava escrevê-las. Os especialistas argumentam que Bob já pensava em enviá-las para serem gravadas por outros autores (o que foi feito com sucesso, rendendo bons hits e dólares a Dylan), mas o fato é: não havia uma pressão escancarada por resultados; não havia uma meta pré-estabelecida; não havia um convite formal, uma decisão vertical e câmeras por todos os lados. Era exatamente o contrário do vivido pelos “New Basement Tapes”.

Mas uma coisa se mantem. Segundo alguns relatos, Bob Dylan demonstrava um interesse para que a futura The Band passasse a compor também. Os encontros no porão da Big Pink serviam também como workshops, mesmo com Dylan chegando com letras prontas (apenas “Tears Of Rage” e “Wheel’s On Fire” tem co-autoria de algum integrante da banda), havia um ar colaborativo no ar. E independente das letras, Bob Dylan precisava do conhecimento musical e técnico da banda para botar em prática suas ideias – e parecia dar uma considerável liberade nisso.

Se T Bone e seu grupo criaram um caminho diferente, Marcus e Rhiannon parecem ter tido as aulas ministradas por Dylan e trilharam um caminho similar. Ao explorar a canção que estava em si próprio e não nas entrelinhas das palavras, o duo criou o ponto alto do projeto: usar a pressão para fazer algo sincero e real, surpreendendo a si próprio.

Na resenha que fiz para o disco, concluí que os destaques foram exatamente os dois. E vendo o documentário, tive certeza da minha conslusão. Marcus e Rhiannon trilharam o caminho das pedras, mas as histórias reunidas são únicas e eternas.

 

Fredrik Wikingsson

Não, você não leu errado. Ontem, às 15hs em Philadelphia (Meio-dia no horário de Brasília), o sortudo acima foi o único a presenciar Bob Dylan e sua banda no palco do lendário Academy Of Music. Bob cantou quatro canções, nenhuma de sua autoria, para uma casa propositadamente vazia.

Segundo a Rolling Stone, o show fez parte de um projeto sueco chamado Experiment Ensam (Experiência Só), em que diversas pessoas presenciam coisas completamente sozinhas que usualmente são reservadas apenas para públicos maiores. Em outros filmes, uma única pessoa esteve em um clube de comédia ou karaokês. O sortudo que viu Bob Dylan foi Fredrik Wikingsson, famoso apresentador de TV na Suécia. Para ele, o cachê de Dylan foi maior do que o de um show normal.

Bob Dylan – que segundo Fredrik ganhou mais do que seu cachê normal de show – subiu no palco para cantar apenas quatro canções: “Heartbeat”, de Buddy Holly; “Blueberry Hill”, de Fats Domino; “It’s Too Late (She’s Gone)”, do Chuck Willis e mais um blues que a única testemunha não reconheceu.

Wikingsson conta que seu maxilar ficou doendo durante horas. “Eu sorri tanto que parecia que eu estava em êxtase”. Para se ter uma ideia, no seu relato ele comparou até com sua família.

“Eu achei que a primeira fileira iria assustá-lo. Eu era um cara escolhendo o mais próximo do mais caro de uma garrafa de vinho em um restaurante, que é algo bem sueco a se fazer. Eu concluí que a segunda fileira seria ideal.”

Depois de 10 minutos incrivelmente ansiosos, uma pessoa entra no palco e começa a conversar com o técnico de luz. “No fim era o Dylan acenou com a cabeça para mim. Então ele começa a falar com o baixista e o baterista sobre como eles iriam começar a primeira música”.

Imagem de Amostra do You Tube

Logo que acabou a primeira música, Fredrik aplaudiu e ninguém se importou com ele.

“Eu imaginei que talvez soou um pouco falso e esquisito. Então na segunda música, eu imaginei que deveria falar algo. E foi tão estranho. Eu gritei ‘Vocês soam ótimos!”. Isto fez com que Dylan caísse na risada. Agora, eu tenho duas crianças e seus partos foram ótimos, mas ele rindo no palco por conta da porra de um comentário tosco que eu fiz foi inacreditável!”

Imagem de Amostra do You Tube

Com Dylan tocando gaita no final de “It’s Too Late (She’s Gone)”, a platéia de uma pessoa se viu numa situação inusitada.

“Eu semprei detesto quanto as pessoas automaticamente gritam e aplaudem toda vez que ele começa a tocar gaita, mas eu me vi quase chorando quando ele fez o solo. Ele poderia muito bem apenas encerrar a canção sem o solo, mas ele queria que fosse ótimo”.

Imagem de Amostra do You Tube

No final, um blues irreconhecível para Wikingsson.

“Isto provavelmente será vergonhoso para mim porque talvez seja um blues bem famoso. Eu tenho certeza que quando ver as imagens vou descobrir qual era.”

A apresentação foi filmada com oito câmeras e um documentário de 15 minutos sobre a ocasião será publicado no Youtube no próximo dia 15 de dezembro.

Update (13/12)
Eis o resultado:

 

The New Basement Tapes - Lost In The River

A Egyptian Records, gravadora de Bob Dylan que em 2011 lançou letras inéditas de Hank Williams musicadas por nomes como Jakob Dylan, Jack White, Norah Jones e o próprio Dylan, parece ter gostado da ideia e repetiu a receita – dessa vez focando nas letras do seu dono.

Tudo começou quando uma caixa de letras – manuscritas e datilografadas – foi entregue pelos editores de Bob Dylan ao amigo e produtor musical T Bone Burnett (que já havia tocado com Dylan desde os tempos de Rolling Thunder Revue).

A partir das letras (entregues em duas levas: uma com 16 e uma segunda com oito), datadas de 1967, T Bone quis repetir o clima do casarão Big Pink e recrutou músicos multi-instrumentistas para compor um “dream team” e musicar as poesias dylanescas.

The New Basement Tapes - Lost In The River

A escalação que entrou em estúdio foi de peso: Elvis Costello, Rhiannon Giddens (Carolina Chocolate Drops), Taylor Goldsmith (Dawes), Jim James (My Morning Jacket) e Marcus Mumford (Mumford & Sons) – todos com experiência em excursionar com Dylan. Além deles, o projeto ganhou a visita de Johnny Depp durante as gravações.

Antes, depois ou durante Basement Tapes?

Apesar de T Bone Burnett atrelar as letras a era Basement Tapes, Clinton Heylin questionou na edição Dez/14 da UNCUT a real época de composição. Para Heylin, tanto o conteúdo quanto evidências físicas (Robbie Robertson, da Band, indicou que as letras de Basement Tapes eram entregues apenas datilografadas, sem ser manuscritas) indicam que as letras de Lost In The River podem ter um contexto ainda mais intrigante.

“A razão para que estas letras tenham um valor além do status de ‘perdidas’ é que elas aparentam ser letras de músicas que Dylan compôs nos seis meses após o acidente de moto, mas antes da Band se mudar para Big Pink.”

Clinton então vê essas letras como a ligação perdida entre Blonde On Blonde e Basement Tapes, numa época em que Dylan questionava não só a direção de sua arte como a condução de sua carreira (com atritos cada vez mais frequentes com seu empresário, Albert Grossman). Talvez por isso, guardou a sete chaves os rascunhos que passavam pela sua cabeça – antes mesmo de pensar em gravar com os futuros vizinhos.

Conteúdo

Imagem de Amostra do You Tube

Conforme foram divulgadas através de lyric videos, as letras de Lost In The River ficavam cada vez mais emocionantes. Independente da data exata em que foram compostas, seu conteúdo parece dialogar diretamente com as possíveis reflexões de Dylan durante a recuperação do fatídico – e histórico – acidente, formando um amálgama entre estudos poéticos e balanços sobre os últimos quatro anos corridos e bem sucedidos de Bob.

“Down on the bottom/ No place to go but up” está na estrofe de abertura do disco: talvez uma referência ao “vôo” de Dylan sob a moto? Outro exemplo possivelmente autobiográfico está em “Nothing To It”, descrevendo um incômodo por não se encaixar em nenhum rótulo ou estilo:

“Well I knew I was young enough
And I knew there was nothing to it
‘cause I’d already seen it done enough
And I knew there was nothing to it

There was no organization I wanted to join
So I stayed by myself and took out a coin
There I sat with my eyes in my hand
Just contemplating killing a man”

Ao se debruçar nas letras “esquecidas”, é interessante notar o novo caminho que Dylan passava a trilhar. As letras parecem se aproximar mais da visão que Bob desenvolveria principalmente em John Wesley Harding: alguém que entende a riqueza da linguagem e alegoria e passa a usá-la atrelada a uma maior maturidade e sensatez.

Outro ponto é o poder que Dylan tem em não olhar para trás. Várias letras de Lost In The River são clássicos instantâneos, com belíssimas construções. É o caso de “When I Get My Hands On You”, “Liberty Street” e “Stranger” (talvez minhas três favoritas do disco).

Imagem de Amostra do You Tube

Forma

Por sorte de todos, o grupo liderado por Burnett não quis simular uma musicalidade dylanescas nas composições. Respeitou-se principalmente as características dos músicos envolvidos e a habilidade de interação entre eles.

As gravações parecem ter sido feitas ao vivo, com os músicos se olhando e se relacionando no momento do registro, dando um caráter mais pessoal e íntimista. Segundo Burnett, alguns músicos resolveram musicar as letras antes do encontro, enquanto outros preferiram vir com o propósito de agregar no improviso. Ambas as formas parecem muito próximas do formato que agrada Dylan, possibilitando, aí sim, um ambiente tão solto e leve quanto a época de Basement Tapes.

Documentário

Além do álbum e suas variações (CD, download e vinil), o registro resultou também em um documentário para a HBO, com cenas das gravações, além de entrevistas – incluindo até Bob Dylan.

O documentário irá ao ar nos EUA no dia 21 de novembro. Confira o trailer:
Imagem de Amostra do You Tube

Conclusão

Lost On The River Box Set + Deluxe Digital Album + Fan Poster Bundle

“Lost In The River” é um projeto respeitoso e ousado. Como diz a máxima, ninguém canta Dylan como Dylan, mas quando não há uma referência das intenções do autor, a liberdade flui com a naturalidade da descoberta.

T Bone escolheu com inteligência e estratégia os integrantes do supergrupo. Para mim, os destaques ficam com dois jovens e talentosos músicos: Rhiannon Giddens, com sua bela voz e habilidade no banjo; e Marcus Mumford que me ganhou com sua interpretação de “Stranger”.

Além disso, é um ótimo complemento para o “Bootleg Series: The Basement Tapes Complete”, que Dylan acabou de lançar e que cobre exatamente a mesma época.

Infelizmente, ainda não há qualquer informação sobre o lançamento deste disco no Brasil.

 
Google+